• quarta-feira, 23 de agosto de 2017
  • 12:29 Icone do tempo--ºC / --ºC

Poder

6/2/2014 às 10h22

João Paulo Cunha tentou lobby para evitar cassação

O deputado João Paulo Cunha (PT-SP), antes de se entregar anteontem à Polícia Federal para cumprir a pena pelos crimes do mensalão, dedicou parte do tempo a um lobby para evitar a abertura de seu processo de cassação.

Folha apurou que o petista telefonou para o presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB-RN), e também para assessores dele pedindo que adiassem a reunião da Mesa Diretora da Casa que vai debater, na quarta-feira, o processo de perda do mandato.

O petista argumentou que a discussão de seu caso pelos colegas não seria possível porque ainda há um recurso apresentado por sua defesa ao STF (Supremo Tribunal Federal) questionando se a atribuição para cassar o mandato é da Câmara ou do tribunal.

No julgamento, a maioria dos ministros entendeu que os deputados condenados deveriam ter os mandatos cassados ao iniciarem o cumprimento da pena. Após a decisão, a corte passou a ter dois novos ministros.

  Pedro Ladeira/Folhapress  
O deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) um dia antes de ser preso, em Brasília
O deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) um dia antes de ser preso, em Brasília

A Câmara elaborou um parecer dizendo que o Congresso não deve cumprir a decisão do STF de cassar imediatamente o mandato, mesmo com a prisão. O entendimento é que a Constituição reserva a palavra final sobre o mandato ao plenário da Câmara.

Com isso, João Paulo alegou que a Casa não poderia dar andamento ao processo. Henrique Alves fez uma consulta aos consultores da Câmara e alegou que não iria atender à demanda do colega, pois não poderia ignorar uma mensagem do Supremo ao Legislativo comunicando o encerramento de parte do processo e o início da pena.

João Paulo também procurou os dois integrantes da Mesa Diretora da Câmara que são do PT para tentar bloquear o processo. Os deputados André Vargas e Antonio Carlos Biffi ficaram de avaliar o pedido com a assessoria técnica. Inicialmente, o PT indicou que não tentaria impedir a abertura do processo.

Mesmo pressionado a renunciar, como fizeram outros três deputados condenados no mensalão, João Paulo disse estar preparado para enfrentar o processo. 

Comentários



  • Regras para comentários

    Não serão aceitas as seguintes mensagens:

    Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;

    Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;

    Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;

    De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;

    Anônimas ou assinadas com e-mail falso;

    O Portal Regional:

    Não se responsabiliza pelos comentários dos internautas;

    Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;

    Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;

    Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.

Leia também