• segunda-feira, 26 de junho de 2017
  • 21:04 Icone do tempo--ºC / --ºC

Justiça

27/1/2017 às 16h36

Justiça determina que 70% dos servidores em greve do Proderj devem trabalhar

O desembargador Luiz Fernando Ribeiro de Carvalho, presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), decidiu hoje (26) que a Associação dos Servidores do Centro de Processamento de Dados do Estado do Rio de Janeiro (Proderj) deve manter quantitativo mínimo de 70% do total de funcionários trabalhando para as atividades desempenhadas pela autarquia, sob pena de configuração de abuso de direito e multa diária de R$ 50 mil. Na sentença, o desembargador também convocou uma audiência de conciliação para o dia 31 de janeiro.

Em greve desde 26 de dezembro do ano passado, os servidores do Proderj reivindicam o pagamento do salário de dezembro de 2016, do 13° e o fim do tratamento diferenciado entre servidores ativos e inativos. Carvalho concedeu liminar solicitada pela Procuradoria Geral do Estado e argumentou em sua sentença que "o movimento grevista compromete o regular funcionamento da infraestrutura de comunicações do estado”. A autarquia é responsável por todos os serviços da Rede Governo, incluindo e-mail, internet, gestão e operação da segurança de rede, bem como pelo portal do governo e acesso online dos servidores estaduais e população a todos os sites, sistemas, serviços e bancos de dados hospedados no Proderj.

O presidente do TJ ressaltou ainda que a paralisação sem a presença mínima dos servidores necessários à realização de atividades como o processamento da folha de pagamento e dos servidores do estado e da dívida ativa, "atenta contra o estado, impedindo o exercício pleno dos direitos dos demais cidadãos, ofendendo a ordem pública, a legalidade, a continuidade dos serviços públicos e a supremacia do interesse público sobre o privado". A reportagem da Agência Brasil não conseguiu contato com a Associação dos Servidores do Proderj para comentar a decisão.

Comentários



  • Regras para comentários

    Não serão aceitas as seguintes mensagens:

    Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;

    Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;

    Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;

    De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;

    Anônimas ou assinadas com e-mail falso;

    O Portal Regional:

    Não se responsabiliza pelos comentários dos internautas;

    Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;

    Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;

    Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.

Leia também