• domingo, 20 de agosto de 2017
  • 23:29 Icone do tempo--ºC / --ºC

Nacional

12/3/2017 às 04h36

ANS suspende comercialização de 35 planos de saúde

“Essa é uma medida preventiva, para proteção do consumidor”, disse sexta-feira, 10, disse a diretora de Normas e Habilitação dos Produtos da ANS, Karla Coelho

ANS fez uma análise das operadoras ao longo do tempo e verificou que as sete estavam acima da média de queixas estabelecida pela agência.
 (Foto: Divulgação) ANS fez uma análise das operadoras ao longo do tempo e verificou que as sete estavam acima da média de queixas estabelecida pela agência. (Foto: Divulgação)

Na próxima sexta-feira (17), 35 planos de saúde de sete operadoras terão a comercialização suspensa por determinação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A medida resulta de monitoramento da garantia de atendimento dos planos aos consumidores, ou seja, se eles estão tendo a cobertura obrigatória, definida pelo órgão, em tempo hábil. Os planos de saúde suspensos têm em torno de 230 mil beneficiários.

“Essa é uma medida preventiva, para proteção do consumidor”, disse sexta-feira, 10, disse a diretora de Normas e Habilitação dos Produtos da ANS, Karla Coelho. Ela informou que as sete operadoras atingidas (Federação das Sociedades Cooperativas de Trabalho Médico do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima; Saúde Sim Ltda; Associação Auxiliadora das Classes Laboriosas; Unimed-Rio; Operadora de Planos de Saúde Serra Imperial Ltda; Ecole Serviços Médicos Ltda; e Associação Santa Casa Saúde de Sorocaba) ficarão suspensas e não poderão comercializar os planos.

“Não podem entrar novos beneficiários, porque, pela nossa avaliação, o número de denúncias ficou acima do esperado para esses planos”, disse Karla. A medida vale por três meses, até as operadoras se adaptarem às normas e resolverem as principais questões para prestar assistência adequada aos beneficiários. As denúncias e reclamações referentes à cobertura assistencial foram recebidas pela ANS no quarto trimestre de 2016.

Interrupção

Karla Coelho deixou claro que os clientes das operadoras atingidas não sofrerão nenhuma interrupção no uso dos planos. “Não tem nenhuma sanção para eles. A sanção é para as operadoras, que não podem vender novos planos.” Com base nas reclamações, a ANS fez uma análise das operadoras ao longo do tempo, comparou-as com empresas semelhantes e verificou que as sete estavam acima da média de queixas estabelecida pela agência.

Por isso, tiveram a comercialização de planos suspensa, além de multas que variam de R$ 80 mil a R$ 250 mil, por conta da negativa de cobertura de saúde. “Todas as operadoras em que foi identificada uma infração cometida vão ser multadas se a infração ficar caracterizada”, disse Karla.

Ela advertiu que, se as operadoras cujos planos de saúde foram suspensos comercializarem novos planos no período de três meses, serão multadas novamente. E a segunda multa levará em consideração os efeitos coletivos e será calculada por uma diretoria específica da ANS, variando de operadora para operadora. As empresas têm uma semana para se ajustar à medida e suspender a comercialização dos planos.

Karla Coelho lembrou que todas as operadoras de saúde suplementar são monitoradas de forma contínua pela ANS. Haverá, entretanto, um acompanhamento maior para as sete empresas objeto da suspensão. Outras medidas administrativas são tomadas pela agência em operadoras com problemas, como direção técnica e fiscal e plano de recuperação assistencial.

No site da ANS, os consumidores podem obter informações mais detalhadas sobre as operadoras cuja comercialização foi suspensa e os planos atingidos.

Unimed-Rio

A Unimed-Rio informou, que a suspensão da comercialização de planos de saúde, determinada pela ANS, “não traz qualquer impacto no atendimento aos clientes, que permanece normalizado”.

Comentários



  • Regras para comentários

    Não serão aceitas as seguintes mensagens:

    Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;

    Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;

    Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;

    De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;

    Anônimas ou assinadas com e-mail falso;

    O Portal Regional:

    Não se responsabiliza pelos comentários dos internautas;

    Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;

    Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;

    Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.

Leia também