• domingo, 25 de junho de 2017
  • 15:57 Icone do tempo--ºC / --ºC

Nacional

20/3/2017 às 16h11

Países importadores anunciam restrições à carne brasileira após operação da PF

União Europeia, Coreia do Sul, China e Chile já anunciaram algum tipo de medida restritiva à entrada de carnes brasileiras.

Após a Operação Carne Fraca, que apontou fiscalização irregular de frigoríficos no Brasil, alguns países importadores anunciaram restrições temporárias à entrada de carne brasileira, entre eles a União Europeia, Coreia do Sul e China. Estes 3 países juntos responderam por 27% das exportações brasileiras de carne em 2016.

 

  • UE: pediu que o Brasil suspenda a exportação de empresas envolvidas
  • CHINA: carnes brasileiras estão retidas nos portos
  • COREIA DO SUL: baniu frangos da BRF; empresa diz que não foi notificada
  • CHILE: suspendeu temporariamente a importação de carnes

 

O governo brasileiro trabalha para que as restrições fiquem restritas somente às 21 unidades investigadas, e não a todas exportadoras. Durante um evento em São Paulo nesta segunda-feira (20), o presidente Michel Temer afirmou que o agronegócio não pode ser desvalorizado por um "pequeno núcleo".

Segundo o presidente, 6 das 21 unidades suspeitas de fraudes exportaram nos últimos 60 dias. Em uma tentativa de tranquilizar os países importadores, Temer reuniu embaixadores para jantar em uma churrascaria de Brasília, no domingo.

Entre as investigadas, 5 unidades já foram suspensas de forma preventiva, informaram associações do setor. As unidades com certificação suspensa não podem vender para o mercado interno, nem para o externo.

O Brasil é o segundo maior produtor de carne bovina do mundo e o maior exportador. O setor vendeu para mais de 150 países no ano passado e agora se preocupa com os impactos negativos do esquema de venda de carne supostamente adulterada.

Operação Carne Fraca foi deflagrada na última sexta-feira (17), com mais de 1 mil policiais envolvidos para cumprir 309 mandados, depois de 2 anos de investigações. No total, são 21 empresas são suspeitas de fraudes.

A ação envolve grandes como a BRF Brasil, que controla marcas como Sadia e Perdigão, e também a JBS, que detém Friboi, Seara, Swift, entre outras marcas, mas também frigoríficos menores, como Mastercarnes e Peccin, do Paraná. As empresas negam irregularidades.

O presidente Michel Temer come carne de churrasco acompanhado de embaixadores de países que importam carne brasileira em uma churrascaria de Brasília, na noite de domingo (19) (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)

As medidas

Segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), as vendas de carnes para a União Europeia, Coreia do Sul e China cresceram nos últimos anos e ganharam peso na pauta exportadora brasileira.

Em 2013, somaram US$ 2,82 bilhões, o equivalente a 17,8% de toda a exportação de carne do Brasil a outros países. Em 2016, passou para US$ 3,67 bilhões, 27,2% do total.

Veja quais países já anunciaram medidas:

 

União Europeia

 

Enrico Brivio, da Comissão Europeia, disse nesta segunda-feira (20) que o grupo está monitorando as importações de carne e exigiu que o Brasil suspenda temporariamente a exportação de empresas envolvidas em fraudes. O nome de nenhuma empresa foi citado.

Questionado sobre o tipo de carne envolvida na investigação - e que terá a compra suspensa -, o porta-voz afirmou que, de acordo com relatos iniciais, trata-se de frango, em sua maior parte.

 

"Na sexta-feira, a Comissão (Europeia) enviou uma nota oficial a autoridades brasileiras pedindo esclarecimentos e a lista de empresas envolvidas."

 

De acordo com Brivio, intensos contatos diplomáticos foram feitos durante o fim de semana. O governo brasileiro enviou uma resposta nesta segunda-feira, mas a comissão pediu mais informações sobre mercadorias que estão a caminho da Europa.

O comissário afirmou que, por enquanto, não há nenhum alerta sobre as carnes brasileiras que já estão nos mercados europeus.

A Comissão Europeia já foi notificada sobre a suspensão de exportações de estabelecimentos suspeitos e acrescentou que o escândalo da carne não terá qualquer impacto nas negociações em curso entre a União Europeia e o Mercosul, no qual os dois lados esperam chegar a acordos sobre livre comércio.

Considerando apenas a União Europeia, as exportações caíram no entre 2013 e 2016, passando de US$ 2,24 bilhões para US$ 1,75 bilhão.

 

Coreia do Sul

A Coreia do Sul vai intensificar a fiscalização de carne de frango importada do Brasil e banir temporariamente as vendas de produtos da BRF. De acordo com a agência Reuters, as informações estão em um comunicado do Ministério da Agricultura sul-coreano.

O ministério disse que fornecedores brasileiros de carne de frango terão que enviar um certificado de saúde emitido pelo governo brasileiro. Mais de 80% das 107.400 toneladas de frango importadas pela Coreia do Sul no ano passado vieram do Brasil, sendo quase metade fornecida pela BRF.

Por meio de nota, a BRF informou que não foi notificada oficialmente a respeito dessa "suposta suspensão" e por isso não vai se manifestar. "A companhia reitera que cumpre todos os padrões exigidos pelas autoridades brasileiras e dos países em que opera."

No caso da Coreia do Sul, as exportações de carne saltaram de US$ 136 milhões, em 2013, para US$ 181 milhões, em 2015. No ano passado, caíram para US$ 170 milhões.

O governo brasileiro e a embaixada da Coreia do Sul foram procurados pelo G1, mas ainda não se pronunciaram.

China

 

A China também disse ter suspendido temporariamente, como "medida de precaução", a importação de carne brasileira depois do escândalo revelado na semana passada.

Ministério da Agricultura confirmou que recebeu um pedido de informação da China sobre a operação Carne Fraca. "A partir disto, as cargas do Brasil que chegarem nos portos daquele país ficam retidas nestes terminais, à espera destas explicações", afirmou em nota.

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, informou que 65 empresas têm hoje autorização para exportar carne para a China. A decisão do país de reter o produto em seus portos atinge todas as empresas.

Segundo o MDIC, as exportações de carne brasileira para a China totalizaram US$ 445 milhões em 2013 e dispararam para US$ 1,75 bilhão em 2016.

A embaixada da China no Brasil foi procurada pelo G1, mas ainda não enviou comunicado.

 

Chile

 

O Chile decidiu suspender temporariamente a importação de carnes brasileiras. Inicialmente, o governo chileno informou que a medida valeria apenas para carne bovina, mas depois a restrição foi ampliada para todos os tipos de carne.

O ministro chileno da Agricultura, Carlos Furche, afirmou em nota que a decisão generalista foi tomada porque não é possível saber com exatidão quais unidades são investigadas e se elas exportaram ao Chile.

Quando o governo brasileiro fornecer todas as informações sobre as possíveis fraudes, a suspensão poderá ser revista, afirmou o ministro.

Operação Carne Fraca

 

Essas medidas são uma resposta às revelações da operação da Polícia Federal, deflagrada na semana passada, que investiga a existência de um esquema montado para liberar irregularmente licenças para venda de carne e fraudar a fiscalização de frigoríficos. Segundo a PF, servidores do governo estão envolvidos nas irregularidades.

De acordo com a investigação, agentes do governo teriam recebido propina para liberar licenças de frigoríficos, que vendiam carne vencida no mercado interno e no exterior, além de usar produtos químicos para mascarar os produtos estragados. Ainda segundo a PF, os partidos PP e PMDB eram beneficiados com propina do esquema.

Veja os números da operação:

 

  • Policiais envolvidos - 1,1 mil
  • Prisões preventivas – 26
  • Prisões temporárias -11
  • Total de busca contra pessoas – 111
  • Total de buscas contra empresas – 70
  • Empresas investigadas - 21 (5 unidades foram interditadas)

 

O governo brasileiro vai acelerar o processo de auditoria nos estabelecimentos citados na operação, mas o Ministério da Agricultura afirmou que 'não existe risco' sanitário pelo consumo de carne no país.

Além das prisões, a Justiça Federal determinou o bloqueio de até R$ 1 bilhão das contas bancárias das 46 pessoas investigadas, e o Banco Central informou o bloqueio de pouco mais R$ 2 milhões.

Já o Ministério da Agricultura anunciou que 33 servidores da pasta foram afastados em decorrência da investigação. A pasta também interditou três frigoríficos, localizados em Goiás, Santa Catarina e Paraná.

 

Empresas envolvidas

 

A operação atingiu algumas das principais empresas do setor, como a BRF, que controla a Sadia e a Perdigão, e a JBS, responsável pelas marcas Friboi e Seara. Os grupos garantem a qualidade de seus produtos.

Em nota, a JBS admitiu que três de suas fábricas foram alvo da operação, mas repudiou a adulteração de produtos e afirmou que a empresa e suas subsidiárias "atuam em absoluto cumprimento de todas as normas regulatórias em relação à produção e a comercialização de alimentos no país e no exterior e apoia as ações que visam punir o descumprimento de tais normas", diz a nota.

Em nota enviada ao mercado, a BRF informou que está colaborando com as autoridades para o esclarecimento dos fatos. A BRF é acusada de pagar propina para evitar o fechamento de uma unidade em Mineiros (GO), que produz aves para exportação, e que teria exportado carga contaminada, segundo informações na decisão da Justiça Federal.

"A companhia reitera que cumpre as normas e regulamentos referentes à produção e comercialização de seus produtos, possui rigorosos processos e controles e não compactua com práticas ilícitas. A BRF assegura a qualidade e a segurança de seus produtos e garante que não há nenhum risco para seus consumidores, seja no Brasil ou nos mais de 150 países em que atua".

A Central de Carnes Paranaense, dona das marcas Master Carnes, Souza Ramos e Novilho Nobre, esclareceu em nota que recebeu a visita dos policiais, mas que nenhum de seus funcionários foi detido. A empresa disse que está colaborando com as investigações, que classifica como "de suma importância para uma concorrência leal do mercado" e que está comprometida "com a verdade e com a ética".

Em nota, o Grupo Argus declarou que obedece rigorosamente às observações sanitárias e de qualidade determinadas, sem solicitar quaisquer favorecimentos ao Sistema de Inspeção Federal do Ministério da Agricultura em detrimento da qualidade de seus produtos, e se solidariza com a ação que deve trazer benefícios significativos ao setor. No âmbito da operação, todo o corpo diretor e administrativo do grupo está inteiramente à disposição das autoridades policiais.

A E. H. Constantino informou que está colaborando com as investigações e, questionada, declarou não ter ligação alguma com os grupos JBS e BRF.

A Primor Beef informou que o dono está viajando e ninguém da empresa tem autorização para comentar sobre o assunto.

Comentários



  • Regras para comentários

    Não serão aceitas as seguintes mensagens:

    Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;

    Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;

    Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;

    De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;

    Anônimas ou assinadas com e-mail falso;

    O Portal Regional:

    Não se responsabiliza pelos comentários dos internautas;

    Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;

    Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;

    Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.

Leia também