• quinta-feira, 27 de julho de 2017
  • 15:55 Icone do tempo--ºC / --ºC

Comportamento

30/4/2017 às 03h40

Brincadeiras perigosas: Psicólogo faz alerta a pais ao perceberem mudança de comportamento dos filhos

Segundo o psicólogo Rubens Neves, o jogo “Baleia Azul” é apenas mais uma das inúmeras brincadeiras de tirar a própria vida entre crianças e jovens

O psicólogo Rubens Neves orienta a importância do diálogo, do laço familiar e do acompanhamento psicológico, sobre as brincadeiras perigosas, como da “Baleia Azul” (Foto: Viviane Santos/JR) O psicólogo Rubens Neves orienta a importância do diálogo, do laço familiar e do acompanhamento psicológico, sobre as brincadeiras perigosas, como da “Baleia Azul” (Foto: Viviane Santos/JR)

Nos últimos dias está sendo frequente nos noticiários e nas publicações nas redes sociais referências ao jogo da “Baleia Azul”. Essa brincadeira é composta por mais de 50 desafios, em que a resolução deve ser atestada por “curadores” dentro de grupos secretos nas redes sociais. No entanto, essa “brincadeira”, pode causar sérios danos físicos e mentais aos adeptos, resultando até mesmo em casos de suicídio.

Com o tema: “O grito do silêncio”, o psicólogo dracenense Rubens Neves aborda o tema suicídio, em palestras nas escolas, associações e igrejas, assunto muito comentado atualmente, principalmente devido ao jogo Baleia Azul e a série 13 Razões, da netflix.

De acordo com o psicólogo, as fases desafiadoras do jogo Baleia Azul, levam a pessoa a tirar a própria vida, ou seja, cometer suicídio.

Ainda segundo Rubens, o suicídio pode ser ocasionado por fatores psicológicos, sociais, ambientais, familiares, culturais e genéricos, e conforme ele, a maioria das pessoas não procura um profissional de saúde mental.

Rubens Neves explica que as doenças como: depressão, transtorno de personalidade (anti-social, borderline com traços de impulsividade, agressividade e frequentes alterações do humor), alcoolismo, esquizofrenia e transtorno mental orgânico estão relacionados ao suicídio.

O jogo Baleia Azul, de acordo com o psicólogo, é apenas mais uma das brincadeiras perigosas existentes, que podem culminar no tirar a própria vida, que fisga pessoas em situação de vulnerabilidade emocional, geralmente, crianças e jovens, assim como o transtorno do borderline, em que a pessoa se corta com lâminas ou facas, para acabar preenchendo o sentimento de vazio.

Rubens Neves cita, também, a brincadeira da escariografia, que é a tatuagem feita por faca ou lâmina, como uma forma de arte no corpo.

De acordo com o psicólogo Rubens, o suicídio vem ocorrendo em uma faixa etária de 15 a 35 anos.

Ele ressalta a importância dos pais perceberem a mudança de comportamento dos filhos em relação às brincadeiras perigosas, estreitarem o laço de convivência, com diálogo franco e também procurarem a ajuda de um profissional da saúde para realizar os procedimentos ao tratamento dos transtornos psicológicos.

Comentários



  • Regras para comentários

    Não serão aceitas as seguintes mensagens:

    Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;

    Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;

    Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;

    De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;

    Anônimas ou assinadas com e-mail falso;

    O Portal Regional:

    Não se responsabiliza pelos comentários dos internautas;

    Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;

    Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;

    Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.

Leia também