• sexta-feira, 24 de novembro de 2017
  • 01:50 Icone do tempo--ºC / --ºC

Comportamento

11/5/2017 às 06h58

Falando sobre TOC – Transtorno Obsessivo Compulsivo

 (Foto: ) (Foto: )

O famoso TOC – Transtorno Obsessivo Compulsivo é um transtorno mental classificado pela Associação Psiquiátrica Americana como transtorno de ansiedade. São pensamentos descontrolados, indesejáveis e frequentes e comportamentos ritualizados ou com necessidade de acontecer.

Verificarmos ocasionalmente, por exemplo, se a torneira do gás de cozinha está fechada, se as portas da casa estão realmente trancadas, se o ferro de passar roupas está desligado, é completamente normal. O que passa a caracterizar o TOC é quando essas “manias” se tornam repetitivas e cada vez mais fortes, impossibilitando a pessoa de se sentir confortável quando não a faz.

Quem tem TOC sabe o quanto é difícil controlar os pensamentos obsessivos e os comportamentos compulsivos. Os pensamentos obsessivos são pensamentos incontroláveis ou imagens que aparecem frequentemente em sua mente. Apesar de saber que não tem real fundamento, estes pensamentos causam angústia, tristeza e um grande incômodo o que compromete a vida cotidiana da pessoa, pois esta não sabe como eliminá-los. Já a compulsão é um modo de comportamento recorrente que traz a ideia de oferecer segurança para o sujeito. Enquanto este não repete o comportamento várias vezes, não sente confiança de estar certo.

O alívio de realizar os rituais não dura muito tempo. Logo os pensamentos automáticos voltam e a compulsão reaparece. A ansiedade que vai gerando tudo isso se torna viciosa e cada vez mais forte. Mesmo tentando manter o controle, a pessoa sofre emocionalmente por estar vivenciando um momento tão complicado e que requer cautela.

Existem os que têm mania de higienização, os que acreditam que se pecarem algo ruim pode acontecer, os simétricos e organizados, os contadores e os que armazenam objetos por medo de um dia precisar e não ter.

Conviver com o TOC requer determinação, coragem, apoio das pessoas próximas e suporte de médico e psicólogo.

Alguém que sofre com este quadro clínico já deve ter escutado por aí que não existe a cura para o transtorno. Em certa parte isso está correto, porém posso afirmar que isso não deve ser encarado como o fim de todas as possibilidades e que nada pode ser feito. Existe o controle, a melhora e a chance de levar uma vida normal quando o indivíduo aceita o problema e busca os recursos necessários para o seu bem-estar.

A combinação de meios de tratamento oferecidos pelo médico psiquiatra e pelo psicólogo, até hoje, pode ser algumas das melhores formas de controlar o TOC.

Como dito anteriormente, não é qualquer tipo de pensamento ou qualquer mania que caracteriza o Transtorno Obsessivo Compulsivo. É necessário procurar ajuda profissional para fazer o diagnóstico correto. (Clínica Vida e Saúde – Av: Rui Barbosa, 1283 – Centro – Dracena – 3821-2637 – Facebook: Psicóloga Flávia Matioli Iwata)

Comentários



  • Regras para comentários

    Não serão aceitas as seguintes mensagens:

    Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;

    Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;

    Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;

    De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;

    Anônimas ou assinadas com e-mail falso;

    O Portal Regional:

    Não se responsabiliza pelos comentários dos internautas;

    Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;

    Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;

    Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.

Leia também