• quinta-feira, 21 de setembro de 2017
  • 02:15 Icone do tempo--ºC / --ºC

Região

8/9/2017 às 11h40

Em meio às comemorações pela Independência do Brasil, sem-terra invadem fazendas na região de Presidente Prudente

Segundo o Movimento Social de Luta Campo e Cidade (MSL), um dos objetivos da mobilização é repudiar a reforma da Previdência Social.

MSL invadiu a propriedade rural na noite desta quarta-feira (6) (Foto: Movimento Social de Luta Campo e Cidade/Cedida) MSL invadiu a propriedade rural na noite desta quarta-feira (6) (Foto: Movimento Social de Luta Campo e Cidade/Cedida)

Integrantes do Movimento Social de Luta Campo e Cidade (MSL) invadiram na noite desta quarta-feira (6) uma propriedade rural, em Rancharia. De acordo com o movimento, cerca de 100 famílias estão acampadas no local nesta quinta-feira (7), feriado nacional em comemoração ao Dia da Independência do Brasil.

O objetivo do ato é em prol da reforma agrária no país, como também repudiar tanto a reforma da Previdência Social, quanto a redução de investimentos relacionados à habitação social, segundo o MSL.

“A reforma da Previdência Social ameaça especialmente a aposentadoria dos trabalhadores rurais, homens e mulheres do campo tão excluídos pela atual falta de política pública social”, cita o movimento em uma carta aberta.

No documento, o MSL ainda afirma que “hoje os projetos habitacionais são desenvolvidos para o lucro e fortalecem a especulação imobiliária, impossibilitando ainda mais o acesso de famílias de baixa renda à moradia digna”.

Conforme a Polícia Militar, também existem registros de invasões de terras em Presidente Epitácio e São João do Pau d'Alho, realizadas por outros movimentos sociais.

 
Propriedade rural foi invadida em Rancharia (Foto: Betto Lopes/TV Fronteira)

Propriedade rural foi invadida em Rancharia (Foto: Betto Lopes/TV Fronteira)

 
Propriedade rural foi invadida em Rancharia (Foto: Betto Lopes/TV Fronteira)

Propriedade rural foi invadida em Rancharia (Foto: Betto Lopes/TV Fronteira)

 
 
Propriedade rural foi invadida em Rancharia (Foto: Betto Lopes/TV Fronteira)

Propriedade rural foi invadida em Rancharia (Foto: Betto Lopes/TV Fronteira)

 
Propriedade rural foi invadida em Rancharia (Foto: Betto Lopes/TV Fronteira)

Propriedade rural foi invadida em Rancharia (Foto: Betto Lopes/TV Fronteira)

 
Propriedade rural foi invadida em Rancharia (Foto: Betto Lopes/TV Fronteira)

Propriedade rural foi invadida em Rancharia (Foto: Betto Lopes/TV Fronteira)

 
 
Propriedade rural foi invadida em Rancharia (Foto: Betto Lopes/TV Fronteira)

Propriedade rural foi invadida em Rancharia (Foto: Betto Lopes/TV Fronteira)

 

Itesp

 

Em nota enviada ao G1 nesta quinta-feira (7) a Fundação Instituto de Terrras do Estado de São Paulo (Itesp) informou que a competência constitucional da reforma agrária é da União, por meio do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Para contribuir com o desenvolvimento da agricultura familiar, o governo do Estado destina áreas julgadas devolutas para implantar assentamentos. Desde a década de 1980, foram criados 138 onde vivem quase sete mil famílias.

Desde 2011, o governo do Estado assentou 476 famílias de trabalhadores rurais em Teodoro Sampaio, Mirante do Paranapanema, Marabá Paulista, São Simão, Araras e Itaberá, segundo a nota.

Ainda conforme o Itesp, "nos últimos sete anos, o governo paulista investiu mais de R$ 30 milhões nos assentamentos estaduais em infraestrutura e insumos. Além disso, criou o Programa Paulista da Agricultura de Interesse Social (PPAIS) e o subprograma PPAIS leite para comprar a produção da agricultura familiar".

 

Incra

 

G1 solicitou um posicionamento nesta quinta-feira (7) ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária sobre o caso, mas não obteve resposta até o momento desta publicação.

 
MSL invadiu a propriedade rural na noite desta quarta-feira (6) (Foto: Movimento Social de Luta Campo e Cidade/Cedida)

MSL invadiu a propriedade rural na noite desta quarta-feira (6) (Foto: Movimento Social de Luta Campo e Cidade/Cedida)

Comentários



  • Regras para comentários

    Não serão aceitas as seguintes mensagens:

    Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;

    Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;

    Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;

    De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;

    Anônimas ou assinadas com e-mail falso;

    O Portal Regional:

    Não se responsabiliza pelos comentários dos internautas;

    Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;

    Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;

    Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.

Leia também