• sexta-feira, 19 de outubro de 2018
  • 08:01 Icone do tempo--ºC / --ºC

Comportamento

9/1/2018 às 07h00

Lei que regula divórcios e inventários em cartórios de notas completa 11 anos

Em Dracena foram lavradas 23 escrituras de divórcio no ano passado

A lei que instituiu a lavratura de inventário, partilha, separação e divórcio por escritura pública em cartório de notas completou 11 anos na semana passada – lei federal nº 11.441/07.  De acordo com as estatísticas do Colégio Notarial do Brasil, entidade que congrega os cartórios de notas, desde 2007 em todo o País, já foram realizados mais 1,8 milhão de atos com base na referida lei.

Em Dracena, os números disponibilizados pelo Tabelionato de Notas e Protesto local, referentes aos atos instituídos pela lei federal, indicam a lavratura de 23 escrituras de separação, conversão de separação em divórcio e divórcios diretos, no ano passado. Em 2016, foram lavradas 29 escrituras de separação, conversão de separação em divórcio e divórcios diretos.

Já em relação aos inventários e partilhas, no ano passado, foram lavradas 134 escrituras e em 2016 foram lavradas 154 escrituras de inventários e partilhas.

É necessário destacar que os dados não revelam o número total de divórcios nem de inventários realizados na cidade uma vez que há os casos que demandam processo judicial, participação de juiz e do Ministério Público e os números fornecidos estão relacionados aos casos específicos que podem ser resolvidos no cartório.

O tabelião Rodrigo Sordi orientou que a lei autorizou a lavratura de inventários, partilhas, separações e divórcios consensuais por escritura pública desde que sejam cumpridos alguns requisitos, como: todas as partes devem ser civilmente capazes; estarem acompanhadas por advogado; nos casos de separações e divórcios, não pode haver filhos menores ou incapazes; já nos casos de inventários e partilhas, não podem haver herdeiros menores ou incapazes e testamento que não tenha sido previamente homologado e registrado pela autoridade judicial competente.

O IMPACTO - De um modo geral, a lei federal é considerada um marco para a desjudicialização no Brasil e impactou diretamente a vida de milhões de brasileiros, inclusive, economicamente. Segundo um estudo conduzido em 2013, pelo Centro de Pesquisas sobre o Sistema de Justiça brasileiro (CPJus), cada processo que entra no Judiciário custa em média R$ 2.369,73 para o contribuinte. Portanto, o erário brasileiro economizou mais de 4,2 bilhões de reais com a desburocratização desses atos. (Com informações da assessoria de imprensa do Colégio Notarial do Brasil – Seção São Paulo)

 

Comentários



  • Regras para comentários

    Não serão aceitas as seguintes mensagens:

    Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;

    Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;

    Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;

    De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;

    Anônimas ou assinadas com e-mail falso;

    O Portal Regional:

    Não se responsabiliza pelos comentários dos internautas;

    Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;

    Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;

    Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.

Leia também