• quarta-feira, 24 de outubro de 2018
  • 00:49 Icone do tempo--ºC / --ºC

Colunistas

11/3/2018 às 09h27

Especialistas aconselham sobre crianças na internet

O uso abusivo também pode desenvolver problemas articulares, dores musculares, dor de cabeça, problemas visuais, ansiedade, irritação, agressividade e baixo desempenho escolar

 (Foto: Divulgação) (Foto: Divulgação)

Famílias passam seu tempo livre conectados em aparelhos eletrônicos. As crianças nascem em um mundo conectado, e desde pequenas aprendem com o exemplo dos pais a se distrair com celulares, tablets e computadores.

Heloísa Porto Alegre, coordenadora do Colégio Pentágono, explica que esses objetos são interessantes para as crianças, que estão em uma fase de descoberta sobre o mundo.

"O divertido é explorar", diz a especialista. "Os pais se aproveitam desse fato e deixam que as crianças fiquem entretidas com esses brinquedinhos".

A coordenadora educacional da Escola Morumbi Unidade Moema, Juliana Hanftwurzel, esclarece que a tendência de as crianças utilizarem aparelhos eletrônicos cada vez mais cedo faz parte de uma tendência. Os dispositivos são capazes de entreter e sua compra é de fácil acesso no mercado, os transformando em atividade de lazer presente no dia-a-dia das pessoas. 

Por essa tendência, o uso da internet deve ser regulado pelos pais. Dentro de cada família deve haver um consenso para um tempo limite de uso, pois o exagero se torna prejudicial se a criança não vivenciar outras atividades importantes para seu desenvolvimento saudável, como brincar livremente, conviver com outras crianças e explorar o mundo a sua volta. O uso abusivo também pode desenvolver problemas articulares, dores musculares, dor de cabeça, problemas visuais, ansiedade, irritação, agressividade e baixo desempenho escolar.

"O importante é que a criança gaste o tempo com qualidade na rede, e não quantidade", afirma Cynthia Wood, psicóloga e psicopedagoga clínica. "É recomendado também que os pais usem a tecnologia com a criança para instruí-las dos perigos, para que não fiquem o tempo todo só utilizando a tecnologia".

Outra dica importante: os pais precisam estar atentos ao conteúdo acessado pelos filhos na internet. O diálogo é a base para a relação entre ambos, que deve ser construída na transparência e confiança, concordam as três especialistas.

Segundo Heloísa Porto Alegre, os pais devem acompanhar o histórico de pesquisa dos filhos, conversas e postagens. Para os pais que trabalham, Cynthia Wood aconselha que utilizem programas de controle, como bloquear canais inapropriados para crianças na televisão e o controle Kids no YouTube.

 

Comentários



  • Regras para comentários

    Não serão aceitas as seguintes mensagens:

    Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;

    Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;

    Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;

    De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;

    Anônimas ou assinadas com e-mail falso;

    O Portal Regional:

    Não se responsabiliza pelos comentários dos internautas;

    Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;

    Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;

    Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.

Leia também