• domingo, 21 de outubro de 2018
  • 22:14 Icone do tempo--ºC / --ºC

Nacional

9/4/2018 às 16h51

Colaborador de vereador ouvido no caso Marielle é assassinado no Rio

Carlos Pereira era colaborador do vereador Marcello Siciliano (PHS), que foi ouvido na última sexta-feira (6), como testemunha no inquérito que apura a morte da vereadora do PSOL na noite do dia 14 de março.

Um colaborador de um vereador do Rio de Janeiro, que foi ouvido pela polícia, no inquérito que apura as mortes da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, foi assassinado. A polícia investiga se a vítima tinha algum tipo de ligação com milícias e se os crimes têm alguma ligação.

O corpo de Carlos Alexandre Pereira Maria, 37, foi encontrado por policiais militares na noite de domingo (8), na Estrada Curumau, na Taquara, na zona oeste do Rio de Janeiro. Ele estava dentro de um carro que tinha marcas de tiros.

Carlos Pereira era colaborador do vereador Marcello Siciliano (PHS), que foi ouvido na última sexta-feira (6), como testemunha no inquérito que apura a morte da vereadora do PSOL na noite do dia 14 de março.

Uma equipe da Delegacia de Homicídios da capital fez uma perícia no local e apura as circunstâncias da morte. Uma das linhas de investigação é que o crime possa estar relacionado à ação de milícias - grupos formados por ex-policiais e criminosos, que cobram taxas de "proteção" e controlam serviços básicos em favelas do Rio.

O secretário da Secretaria Pública do Rio, general Richard Nunes, deve se reunir com policiais da Delegacia de Homicídios nesta segunda-feira (9), para tratar do caso.

Procurado, o vereador Marcello Siciliano lamentou a morte do colaborador. "Foi com grande pesar que recebi a notícia de falecimento do nosso colaborador Carlos Alexandre Pereira. Durante o tempo em que esteve conosco, fez tudo pela sua localidade e estava sempre disponível para ajudar no que fosse necessário"

"Me solidarizo com a dor dos familiares e amigos. Podem contar comigo para ajudar no que for preciso", disse o parlamentar em nota.

Segundo informações da assessoria do vereador, apesar de Pereira se identificar como assessor parlamentar de Siciliano, ele era um líder comunitário. A função dele era ouvir os moradores, identificar problemas na região e levar as informações até o gabinete na Câmara dos Vereadores para que o vereador pudesse intervir em melhorias para a região.

Depois que prestou depoimento à polícia no caso Marielle na sexta-feira (6), Siciliano afirmou:

"Todos os vereadores foram chamados a vir aqui. Estou à disposição. A Marielle era uma pessoa da qual eu gostava muito. Sinto muito a perda dela e torço para que esse caso seja esclarecido", afirmou ao deixar a delegacia na Barra da Tijuca, na zona oeste.

Além dele, outros parlamentares prestaram depoimento na delegacia especializada. O vereador Jair Mendes da Rocha (PMN) compareceu à delegacia na quinta-feira (5). Antes de entrar na delegacia, ele destacou que estava lá na condição de testemunha.

"Que seja elucidado isso aí, que o que aconteceu com ela foi uma fatalidade e muita gente está sendo acusada. Com certeza todos nós [vereadores] temos que ser investigados, como cada cidadão que compareceu naquele local no dia do crime", disse aos jornalistas.

 

Ninguém foi preso

Quase um mês após a morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, ninguém foi preso. As investigações estão sob sigilo. No entanto, segundo fontes da Delegacia de Homicídios, as investigações apuram o envolvimento de milicianos no crime.

Imagens do circuito interno e externo de segurança da Câmara dos Vereadores no Centro do Rio foram recolhidas por uma equipe da especializada. O objetivo é identificar as pessoas que entraram e saíram da Casa no período.

Dias antes de ser morta, Marielle Franco havia feito críticas públicas à atuação do 41º Batalhão da PM, envolvido em operações violentas principalmente na região de Acari.

Comentários



  • Regras para comentários

    Não serão aceitas as seguintes mensagens:

    Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;

    Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;

    Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;

    De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;

    Anônimas ou assinadas com e-mail falso;

    O Portal Regional:

    Não se responsabiliza pelos comentários dos internautas;

    Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;

    Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;

    Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.

Leia também