• quinta-feira, 20 de setembro de 2018
  • 05:18 Icone do tempo--ºC / --ºC

Saúde

6/7/2018 às 13h45

SP já vacinou 11 milhões de pessoas contra a gripe

Balanço ultrapassa a meta de vacinação da campanha, que era imunizar 10,7 milhões de paulistas

 (Foto: Divulgação) (Foto: Divulgação)

Levantamento feito pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, com base nos dados informados pelos municípios paulistas, mostra que SP ultrapassou a meta da campanha de vacinação contra a gripe de 2018. Até o momento, 11 milhões de pessoas já foram vacinadas, número superior à meta de 10,7 milhões, o que corresponde a 90% da população-alvo.

O dado contabiliza pessoas vacinadas desde o início da campanha, em 23 de abril, até o momento. Nesse período, foram aplicadas doses em  cerca de 4,5 milhões de idosos, ou seja, pessoas com idade de 60 anos ou mais; 2,2 milhões de pessoas com doenças crônicas, como diabetes e hipertensão; 1,5 milhão de crianças; 1 milhão de trabalhadores de saúde; cerca de 381 mil professores; 271 mil grávidas; 72,5 mil puérperas (mulheres que tiveram filhos em até 45 dias) e mais de 6,5 mil indígenas.

Mesmo com a meta geral atingida, os grupos prioritários das crianças e gestantes ainda precisam incrementar a cobertura vacinal, que está em cerca de 74%. Ainda é preciso vacinar 786 mil crianças e 150 mil grávidas. Outros grupos, como idosos, puérperas, indígenas e professores já ultrapassaram a meta de 90% de vacinados.

Seguindo diretrizes definidas pelo Ministério da Saúde, a vacinação segue disponível enquanto os municípios tiverem doses. A finalidade é que os grupos prioritários continuem se vacinando, ampliando a proteção da população contra a doença. Além disso, desde o dia 25 de junho os municípios também podem imunizar pessoas com idade de 50 a 59 anos e crianças de 5 a 9 anos, a depender da disponibilidade de doses.

“Mesmo com a meta geral atingida, é indispensável que as pessoas pertencentes aos grupos prioritários que ainda não se imunizaram compareçam aos postos, principalmente crianças e grávidas. Para esses grupos, tomar a vacina é especialmente importante para evitar complicações futuras, como pneumonia e internações hospitalares”, afirma a diretora de Imunização da Secretaria, Helena Sato. “A vacina não provoca gripe em quem tomar a dose, já que é composta apenas de fragmentos do vírus que causam a devida proteção, mas são incapazes de causar a doença”, explica.

Segundo recomendação da OMS (Organização Mundial de Saúde), a vacina de 2018 irá prevenir a população alvo contra o vírus Influenza dos tipos A (H1N1), A (H3N2) e B.

A vacina contra gripe é produzida pelo Instituto Butantan, unidade vinculada à Secretaria, que neste ano disponibilizou 60 milhões de doses ao Ministério da Saúde para a realização da campanha em todo o Brasil.

Comentários



  • Regras para comentários

    Não serão aceitas as seguintes mensagens:

    Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;

    Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;

    Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;

    De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;

    Anônimas ou assinadas com e-mail falso;

    O Portal Regional:

    Não se responsabiliza pelos comentários dos internautas;

    Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;

    Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;

    Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.

Leia também