• quinta-feira, 20 de setembro de 2018
  • 06:26 Icone do tempo--ºC / --ºC

cidade

11/7/2018 às 09h00

Pedido do MP de afastamento do presidente da entidade é indeferido pelo Judiciário

O Ministério Público recorreu e aguarda posicionamento do Tribunal de Justiça

O pedido do Ministério Público solicitando o afastamento de Idene Rodrigues dos Santos Júnior das funções de presidente da Associação de Proteção da Maternidade, à Infância e a Adolescência de Dracena (APMIAD), mais conhecida como Creche da Nadir foi indeferido. De acordo com o promotor de Justiça do Patrimônio Público de Dracena, Daniel Magalhães Albuquerque Silva, a juíza indeferiu o pedido argumentando não haver necessidade uma vez que todos os bens da Associação já estão bloqueados. Ainda de acordo com o promotor, o Ministério Público recorreu e está aguardando posicionamento do Tribunal de Justiça.

ENTENDA - Em fevereiro deste ano, a juíza Aline Tabuchi da Silva, da 1ª Vara da Comarca de Dracena, concedeu liminar em ação civil pública do Ministério Público e determinou o bloqueio de bens da APMIAD e do representante Idene Rodrigues dos Santos Júnior, com o objetivo de garantir o ressarcimento aos cofres públicos em caso de futura condenação. A liminar foi requerida pelo promotor de justiça do patrimônio público de Dracena, Daniel Magalhães Albuquerque Silva, na ação civil pública por ato de improbidade administrativa com bloqueio de bens ajuizada no dia 7 de fevereiro contra a APMIAD, podendo ser transferida para o representante da instituição. De acordo com a ação, a Municipalidade atendendo ao convênio firmado com a referida creche, efetuou repasse que deveria ser destinado a custear despesas com material de consumo, salários, encargos sociais e pequenos reparos, sendo vedada a utilização dos recursos em finalidade diversa da estabelecida no convênio e as contas não foram aprovadas pela Municipalidade. Ao conceder a liminar requerida pelo MP, a juíza Aline Tabuchi da Silva decretou a indisponibilidade dos bens dos demandados até o limite de R$ 145.410,08.

PREFEITURA - No fim do ano passado, a Prefeitura de Dracena informou sobre a inauguração e funcionamento da Emei Magda Lemos, quando citou reunião com os com os pais das crianças, responsáveis e a direção da APMIAD (Creche da Nadir) para ofertar vagas na Emei Magda Lemos em virtude da “Associação não ter se credenciado para receber verbas da Prefeitura, impossibilitando qualquer tipo de repasse por parte do poder público municipal, como feito nos últimos anos” informava a nota.

As crianças da rede municipal foram atendidas pela referida creche até o ano passado.  Neste ano, segundo a Prefeitura, 90% das crianças estão na Emei Magda Lemos, as demais crianças estão em outras Emeis de acordo com a opção das mães. No início de abril, a Prefeitura notificou a diretoria da APMIAD a devolver aos cofres públicos o valor total de R$ 652.271,17, referentes a gastos em desconformidade ao convênio de 2016 e também por não prestar contas dentro do prazo relativo aos repasses do ano de 2017.

De acordo com a Prefeitura, a Associação teve a prestação de contas rejeitada do repasse efetuado pela municipalidade relativo ao exercício de 2016, no valor de R$ 145.410,18. Conforme os registros da secretaria municipal de Educação, no ano passado foram enviados quatro ofícios a entidade referentes à pendência, quando foi solicitado aditivo de prazo, o que não foi cumprido pela Associação.

CÂMARA MUNICIPAL - Os vereadores aprovaram por unanimidade o projeto de decreto legislativo n.° 01/18, da Mesa Diretora, que tratava sobre a formação da Comissão Especial de Inquérito para averiguação do uso de dinheiro público pela Associação de Proteção da Maternidade, à Infância e a Adolescência de Dracena (APMIAD), nos anos de 2016 e 2017, em sessão ordinária. A presidente é a vereadora Maria Aparecida da Silva Gasques Mateus (PDT) e os demais membros são: Claudevi O. da S. Júnior (PV), Kielse Chiari Munis (PMN), Milton Polon (PPS), Rodrigo Castilho Soares (PSDB) e  Victor Silva Almeida Palhares (PP). Após 60 dias de investigações, o prazo foi prorrogado e neste momento, os trabalhos estão suspensos em razão do recesso da Câmara Municipal.

 

Comentários



  • Regras para comentários

    Não serão aceitas as seguintes mensagens:

    Com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;

    Com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;

    Com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;

    De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;

    Anônimas ou assinadas com e-mail falso;

    O Portal Regional:

    Não se responsabiliza pelos comentários dos internautas;

    Se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas regras ou às normas legais em vigor;

    Não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros;

    Se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.

Leia também