Jacyr Costa Filho, da Tereos (2° à dir.), ao lado da ministra da Agricultura do Brasil, Tereza Cristina e representantes do Japão (Divulgação)

Na segunda-feira que passou, na sede da Fiesp em São Paulo houve o 4º Diálogo Brasil – Japão, que contou com a presença da ministra da Agricultura do Brasil, Tereza Cristina, e do ministro do Japão, Takamori Yoshikawa. Também estiveram presentes, o cônsul do Japão em São Paulo, Yasushi Nogushi, o secretário da Agricultura do Estado de São Paulo, Gustavo Junqueira, entre outras autoridades, assim como o dracenense Jacyr Costa Filho, diretor para Região Brasil na Tereos (empresa agroindustrial que, a partir da cana-de-açúcar, produz açúcar, etanol e energia elétrica).

Em sua rede social, Jacyr Costa Filho publicou que: “Na pauta, medidas para favorecer o ambiente de negócios e investimentos e parcerias institucionais na área de pesquisa e segurança alimentar. Parabéns aos ministros pela iniciativa”.

Ao abrir o 4º Diálogo Brasil-Japão, a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) a ampliação do comércio entre os dois países. Em discurso, ela disse que o fluxo comercial do agronegócio entre os dois países cresceu 130% nos últimos 20 anos, porém o Brasil não figura entre os principais destinos dos investimentos japoneses no exterior.

O Japão é o quarto maior importador de produtos agrícolas do mundo. E o Brasil é o principal fornecedor de alguns deles, como carne de frango in natura, café verde, etanol e suco de laranja. Em 2018, os produtos brasileiros foram responsáveis por apenas 3,2% das importações agrícolas do mercado japonês.

Tereza Cristina destacou que o agro brasileiro atende às exigências dos compradores globais. A ministra citou a eficiência do sistema de defesa sanitária agropecuária e o fato de 66% da vegetação nativa serem preservados no território nacional.

“Os exigentes compradores globais precisam ser informados sobre a realidade da produção dos alimentos no Brasil, desde a sua origem nas fazendas até a mesa do consumidor. É fundamental que o mundo conheça o exemplo que a agricultura brasileira tem a dar em aspectos ambientais, sociais e trabalhistas”. (Com informações safraes.com.br)