Carne bovina: produto bastante consumido pelos brasileiros está em alta (Vanessa Matsumoto/JR)

Nos últimos 30 dias, a alta no preço da carne bovina vem chamando a atenção de consumidores e deixando proprietários de supermercados preocupados.

Devido a forte demanda internacional por carnes, o valor do produto muito comum na maioria das mesas brasileiras acabou aumentando o preço no mercado doméstico, segundo informou o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

De acordo com a CarneTec Brasil, esses valores refletem as vendas de carne bovina e também suína.

Em Dracena, o empresário do ramo de supermercado Jeferson Pessoa informou que o reajuste atingiu em torno de 20% ocorrendo em todos os cortes e pontou: “É muita coisa, uma alta acentuada. Do começo de outubro para cá vem subindo muito e os fornecedores já estão nos avisando que vai subir ainda mais”. No final das contas, segundo ele, é impossível não repassar o aumento ao cliente.

Jeferson Pessoa frisou que a expectativa em curto prazo, segundo fornecedores não é positiva, provavelmente já fazendo a pensar em festas de final de ano mais caras.

“Todas as proteínas (carnes) subiram, mas a carne de boi foi muito mais. O frango tem mais oferta – o aumento no produto inteiro chegou a 10%. A carne suína vem mantendo o preço se for comparada a bovina, mas também registrou alta em torno de 10%”, explicou.

Além da demanda internacional, há os problemas internos, como por exemplo, os relacionados ao tempo, que por sinal anda muito seco, com isso, faltando pasto, alimento para o animal, encarecendo a atividade no campo.

O comerciante citou valores de cortes mais procurados. Segundo Jeferson Pessoa, há 30 dias o contra filé podia ser comprado de R$ 20 a R$ 22 (quilo) agora há estabelecimentos vendendo por até mais de R$ 30; o acém antes R$ 12 agora perto de R$ R$ 20; a costela R$ 10 agora R$ 15; o coxão duro que antes podia ser comprado na faixa de R$ 16 a R$ 18, nestes dias entre R$ 22 a R$ 23.

MAIS ANÁLISE

O gerente comercial de uma rede de supermercados de Dracena e região, Edilson de Camargo informou que nas lojas do grupo, os preços da carne bovina ainda continuam sendo os mesmo praticados na tabela, porém nos próximos dias poderá sim ocorrer novos valores.

Edilson de Camargo explicou que os fornecedores estão informando que a situação está sendo ocasionada devido à falta de animais no mercado interno para abate, além das grandes exportações que o Brasil vem promovendo tanto para a China quanto para outros países. E concluiu: “É importante os consumidores ficarem atentos as nossas promoções”.

Para conseguir alguma economia na hora da compra, consumidores devem ficar atentos às ofertas (Vanessa Matsumoto/JR)