Palavras do Secretário Substituto de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Eduardo Macário. Foto: Anderson Riedel/PR

Em entrevista diária do Ministério da Saúde, nesta quinta-feira (21), o diretor do Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis, Eduardo Macário, apresentou gráficos que mostram o avanço da covid-19 no Brasil. A doença, que já infectou mais de 310 mil brasileiros, está presente em 62.6% dos municípios brasileiros, sendo que 24,3% registraram óbitos em decorrência do novo coronavírus.

O diretor voltou a explicar que os números de mortes registrados podem ser de óbitos ocorridos dias ou semanas antes. Pela dinâmica de alimentação dos dados, aos fins de semana há menos registros e às terças-feiras há mais casos em razão do acúmulo de notificações. Atualmente há 3.521 falecimentos aguardando resultados laboratoriais. Mas ele reiterou que o Brasil está em uma curva ascendente.

“Temos sim um aumento de casos, e principalmente na questão dos óbitos confirmados por coronavírus no Brasil. [Isso pode causar uma] falsa impressão de que mortes estão diminuindo nas últimas semanas. À medida que as investigações são concluídas [os dados são atualizados, mas] são sobre semanas anteriores. É uma curva em desenvolvimento”, declarou.

Até o momento, foram 46.438 hospitalizações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) com covid-19, 1.836 por influenza, 2.272 por outros vírus respiratórios, 54.295 por SRAG não especificada e 50.589 ainda em investigação.

Sobre o perfil dos mortos por covid-19, 69% tinham mais de 60 anos; e 63% apresentava algum fator de risco, sendo os mais comuns doenças do coração, diabetes, doenças renais, doenças neurológicas e pneumopatias.

Em relação à penetração da pandemia, as regiões com o maior número de municípios com casos registrados são o Norte (79,6%), Nordeste (74,2%), Sudeste (59,5%), Sul (51%) e Centro-Oeste (42,6%). Em um mês, 2.063 novas cidades notificaram casos confirmados de covid-19. Outros 2.082 municípios ainda não relataram nenhum caso.

“Os dados mostram que Brasil não é país único. A evolução obedece o ciclo sazonal das doenças respiratórias, que são diferentes quando você considera Norte e Nordeste em relação ao Sul e Sudeste. Por isso que temos preocupação em relação ao aumento da sazonalidade nos próximos meses e a preparação dos serviços de saúde nesta temporada”, disse Macário.