A maior parte dos brasileiros pretende manter a tradição e ir às compras neste Natal, movimento que promete aquecer as vendas do varejo em 2018. É o que revela pesquisa realizada em todas as capitais pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). As projeções permanecem no mesmo patamar do último ano e indicam uma injeção de aproximadamente R$ 53,5 bilhões na economia.

Em Dracena, o fluxo de consumidores no comércio é grande, principalmente nos supermercados em razão das compras para a ceia de Natal, produtos natalinos para presentear familiares, amigos e conhecidos e cestas natalinas para colaboradores/funcionários.

Para o gerente de um supermercado no centro, Olair Mantovaneli, as vendas estão aquecidas desde o começo do mês “O feriado do dia 8 de dezembro – aniversário de Dracena – foi muito bom, as pessoas já tinham recebido o salário e o pagamento da primeira parcela do décimo terceiro já havia sido liberado. No ano passado, o consumidor estava mais inseguro”, comparou. Ainda de acordo com Olair, os consumidores estão antecipando as compras desde a primeira semana de dezembro, mas a expectativa é que a encomenda de cestas cresça nesta semana. “As cestas natalinas acompanham: panetone, vinho, champanhe, bombons, frutas cristalizadas, macarrão, entre outros. Nessa época também aumenta a procura pelas bebidas: cerveja, vinho, champanhe, espumantes, hortifrutigranjeiros, frutas secas e cristalizadas, uva e ameixa, mas o campeão de vendas é o panetone”, lembrou.

O otimismo também é a tônica do gerente comercial de uma rede de supermercados em Dracena, Edilson de Camargo. “Comercialmente é uma data muito boa, e neste ano como o Natal caiu numa terça-feira, acreditamos que as pessoas irão festejar mais em razão de mais dias de descanso. O consumidor também está mais confiante. Esperamos o crescimento de 15% em relação ao ano passado”, assegurou.

Tradicionalmente, os produtos mais comercializados são as aves natalinas (chester, peru), refrigerante, cerveja, vinho, champanhe, espumante, panetone, frutas cristalizadas, frutas tropicais, ameixa, uva, nectarina, pêssego. O gerente também pontuou a venda de cestas de Natal (com mais itens) e dos kits de Natal (com menos produtos) já prontos, acrescentando a possibilidade do consumidor também montar a cesta ou kit personalizados.  As cestas e kits são opções para presentear colaboradores, além das confraternizações realizadas nesta época. Para estimular as vendas, a rede procurou facilitar o pagamento, os produtos natalinos podem ser parcelados em três vezes no cartão.

Ainda de acordo com o gerente comercial, também há espaço para a bacalhoada e o tradicional churrasco – muito característico na região – as variedades de carne mais procuradas são contrafilé, alcatra, fraldinha e a campeã de vendas: costela.

Sobre os preços praticados ao consumidor, Edilson de Camargo considerou que alguns itens tiveram uma leve alta, mas que de uma maneira geral, os preços estão estáveis e lembrou que a data mais aquecida no setor varejista exige muita organização e planejamento nos meses anteriores. “O planejamento já começa em outubro e nessa época aumenta muito o fluxo de clientes nos setores de alimentação e bebidas, trabalha-se muito”, analisou.

Consumidores buscam vinho, champanhe e espumantes para brindar as festas (Lucas Mello/JR)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor envie seu comentário
Por favor digite seu nome