Hoje, 17, no Fórum de Junqueirópolis ocorrerá audiência de instrução quanto ao caso da mulher acusada de matar a própria filha, de sete meses, por sufocamento, no mês de março deste ano. Na época dos fatos, o Ministério Público de Junqueirópolis denunciou a mulher ao Judiciário com base no crime de matar alguém por asfixia.

O MP informou que será o momento de o juiz de direito ouvir a acusada assim como as testemunhas do caso, visando analisar se a conduta criminosa deverá ser ou não levada à análise do tribunal do júri.

LEMBRAR O CRIME

Na ocasião, o bebê foi levado ao Pronto Atendimento Municipal de Junqueirópolis, por uma assistente social do município, em razão de suspeita de fratura. A família foi acionada e a avó compareceu ao local e quis levar embora a neta, que estava internada na Santa Casa, o que não foi permitido pelas equipes. O hospital chamou a Polícia Militar.

Segundo a PM, uma das funcionárias da Santa Casa ouviu a criança chorar e foi até a sala, onde ambas estavam, quando flagrou a mulher tentando dar leite para a ela enquanto tapava o nariz do bebê. A guarnição deu voz de prisão e conduziu o caso para a delegacia de Junqueirópolis.

O delegado de Junqueirópolis, Eliandro dos Santos, instaurou inquérito para apurar os fatos.

Tanto a enfermeira e as acompanhantes ouvidas confirmaram que enquanto a mãe dava leite para a criança com a mamadeira, obstruía o nariz do bebê. A suspeita é que a mulher tentou asfixiar a filha.

Ainda de acordo com o delegado, a mãe relatou que a fratura da criança foi em razão de uma queda da cama e alegou que segurava a bochecha da filha como uma forma da criança ingerir mais alimento uma vez que ela tinha dificuldade para ganhar peso. Todavia há informações de histórico de maus tratos.

O delegado informou que o caso foi registrado como tentativa de homicídio qualificado. A mulher está presa em Tremembé.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor envie seu comentário
Por favor digite seu nome