Uma suposta orientação que teria sido dada pela “Vigilância Sanitária” viralizou nas redes sociais nesta semana: “A vigilância sanitária está pedindo para que as pessoas coloquem meio copo de cloro em todos os ralos da casa na segunda e sexta-feira para eliminar o mosquito Aedes aegypti”.

O site Boatos.org aponta as características de que a mensagem se trata de um boato, de fake news: é vaga (não informa qual vigilância sanitária), alarmista, com erro de português, pedido de compartilhamento e não apresenta fontes oficiais.

Em contato com a chefe de informação, Educação e Comunicação da Vigilância Epidemiológica (VE) de Dracena, Aline Andrade, a orientação recebida foi para que a população coloque detergente nos ralos e caixinhas de água atrás da geladeira para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegytpi a cada 15 dias.

Não há nenhuma contraindicação em relação ao uso do cloro nos ralos, mas é boato afirmar que a vigilância fez a recomendação e que só isso resolveria o problema. O ideal é manter os ralos limpos e com aplicação de tela para evitar criadouros. A melhor maneira de colaborar com o combate a dengue é evitar o acúmulo de água em objetos.

Veja os criadouros mais comuns do Aedes aegpti

Vasos e pratinhos de plantas

Ainda são reincidentes os casos de água acumulada em plantas e jardins. A solução é eliminar os pratos ou, se decidir mantê-los, realizar lavagens semanais ou utilizar areia para preenchê-los até a borda.

Reservatórios domésticos de água

Caixas d’água, cisternas, tonéis, tambores e filtros necessitam ser tampados. E até mesmo reservatórios de eletrodomésticos devem passar por uma vigilância frequente, como é o caso de geladeiras e climatizadores. Verifique se a sua geladeira tem um coletor de água do degelo automático (fica na parte de trás, perto do motor). Caso tenha, é preciso limpar, com água e sabão, a bandeja onde a água é acumulada, uma vez por semana. No caso de climatizadores ou aparelhos de ar-condicionado, é necessário retirar o compartimento, esvaziá-lo e lavá-lo.

Ralos

Ralos limpos e com aplicação de tela evitam o surgimento de criadouros. Além disso, é importante saber que a água com larvas não deve ser derramada em ralos ou na pia – lugares que podem gerar acúmulo –, e sim na terra ou no cimento quente.

Piscinas e fontes

Com o calor que faz na cidade, piscinas – de todo tipo ou tamanho – são motivo de alegria. Mas a atenção deve ser redobrada, pois também se trata de um dos lugares favoritos do Aedes. Sendo assim, fica a dica: piscinas e fontes devem ser limpas e tratadas com o auxílio de produtos químicos específicos.

Lixo descartado indevidamente

Um modo de prevenir criadouros é descartar objetos no lugar correto e levar o lixo para fora de casa somente no dia da coleta, por exemplo. Recipientes e sacos plásticos, garrafas, latas, sucatas, ferro-velho, entulhos em construção; tudo isso pode ser foco de Aedes. Furar o fundo das latas e, se possível, amassar; tampar latas de tinta e deixá-las em local adequado; enviar sacos plásticos para reciclagem; amassar copos descartáveis; e manter garrafas com tampas ou viradas para baixo são algumas medidas que podem ajudar a eliminar o acúmulo de água.

Bebedouros de animais

O ideal é renovar a água dos bebedouros frequentemente, tendo o cuidado de limpá-los com esponja e sabão para eliminar possíveis ovos de mosquito agarrados às bordas. (Fonte: Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor envie seu comentário
Por favor digite seu nome